Pesquisar este blog

sábado, 23 de agosto de 2008

PT abriga narcoterrorista no Brasil

O PADRE QUE NÃO É SANTO

O lado desconhecido do ex-guerrilheiro das Farc que conseguiu refúgio no Brasil, apesar das acusações de assassinato e seqüestro


Alexandre Oltramari, de Bogotá

Fotos Joel Rocha e Pablo Cozzaglio/AFP

DA BÍBLIA AO FUZIL
Medina, em três aparições, é tido como uma liderança importante no organograma da guerrilha. Sobre ele pesa a acusação de comandar ataques que deixaram quase 100 mortos

VEJA TAMBÉM
Exclusivo on-line
Perguntas e respostas: As Farc

A bem-sucedida estratégia do governo colombiano para desmantelar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o maior grupo guerrilheiro em atividade no continente, não se limita apenas às ações militares. A divulgação massiva dos métodos criminosos utilizados pela organização e a exposição da brutalidade empregada contra vítimas civis têm isolado cada vez mais os terroristas na selva amazônica. No início do mês, mensagens eletrônicas apreendidas em um computador das Farc obrigaram políticos e autoridades brasileiras a passar pelo constrangimento de ter de explicar o nível de suas relações com a narcoguerrilha. O embaraço tende a aumentar de proporção. O governo brasileiro deverá receber, em breve, um pedido de repatriação de Francisco Antonio Cadena Collazos, conhecido como padre Olivério Medina, guerrilheiro que mora há onze anos no Brasil. Nesse período, ele fez amigos influentes em vários setores do governo, manteve contatos com políticos importantes e atuou como elo dos interesses da guerrilha no país. Afora isso, pouco se sabia sobre o passado do padre, exceto que ele foi obrigado a fugir da Colômbia depois de trocar a batina pelo fuzil. A biografia oficial de Olivério Medina, porém, é bem menos santa do que faz crer a versão brasileira. O padre é acusado de promover seqüestros, atentados terroristas e ataques que resultaram na morte de quase uma centena de pessoas.

É a segunda vez que a Colômbia tentará conseguir a extradição do padre. Na primeira, em 2005, Medina, que chegou a ser preso, conseguiu obter do governo brasileiro o status de refugiado – um instrumento jurídico universal criado para proteger vítimas de perseguição política. As autoridades colombianas pretendem solicitar ao Ministério da Justiça a anulação do benefício. O pedido terá como base as mensagens eletrônicas apreendidas nos computadores de Raúl Reyes, o ex-número 2 das Farc, morto há cinco meses, e sua biografia colombiana. Os arquivos digitais mostram que, mesmo depois de obter o refúgio, Medina continuou integrando a cúpula da narcoguerrilha. Em mensagens trocadas com Reyes, o padre narra suas atividades a serviço das Farc no Brasil, revela quem são seus amigos no governo, detalha conversas pessoais do presidente Lula com ministros e diz que precisa atuar com discrição. A conduta contraria frontalmente as regras do refúgio. Em carta de próprio punho, Olivério Medina se comprometeu a romper totalmente as relações com as Farc. O documento foi decisivo para o Conare, órgão que analisa os pedidos, aprovar o refúgio. O governo também exigiu que Medina abandonasse qualquer atividade política. As mensagens eletrônicas mostram que nada disso foi cumprido. "Se forem comprovadas ações não permitidas, o caso terá de ser revisto", diz Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto, presidente do Conare.

José Cruz/ABR
SANGUE NAS MÃOS
O presidente do Conare e o Bunker que concentra as investigações dos crimes da guerrilha: o refúgio do padre pode ser revisto

Fernando Cavalcanti

Os colombianos querem mostrar ao Brasil que, além do presente, o passado de Olivério Medina também compromete. A lei estabelece que pessoas que cometeram crimes hediondos, como atos terroristas e tráfico de drogas, não podem receber refúgio político. Olivério Medina já era acusado em processo criminal por homicídio com fins terroristas, seqüestro extorsivo, rebelião e terrorismo na Colômbia. Ele também foi condenado, em 2003, a dez anos de cadeia pelo crime de rebelião agravada. A sentença, que legalmente impede a concessão do refúgio, foi ignorada pelo governo brasileiro, que considerou muito frágeis os argumentos apresentados no pedido de extradição. VEJA teve acesso a um relatório produzido pelo serviço secreto colombiano que acusa o padre de participação em quatro ações das Farc, entre 1991 e 1998, que deixaram um saldo de 95 militares mortos e 121 pessoas seqüestradas. Os militares colombianos também relatam que Medina negociou armas para as Farc na Jamaica e "importou" da Bolívia cerca de 300 fuzis russos AK-47 para a guerrilha. "Ele tem as mãos sujas de sangue", disse um dos investigadores do grupo de combate ao terrorismo da Justiça colombiana. "Ao contrário do que muitos acreditam no Brasil, ele não é uma pomba mansa." O investigador, que pede para não ser identificado por medo de sofrer um atentado, trabalha em um edifício de Bogotá conhecido como "El Bunker". Protegida por cercas de arame farpado, que lhe emprestam um aspecto de trincheira, a construção é vigiada 24 horas por tropas fortemente armadas. Ali estão armazenadas as provas mais contundentes já colhidas pela Justiça contra a guerrilha – e também contra o padre.

A proximidade de Olivério Medina com as Farc e suas ações sanguinárias aparece com nitidez em um processo no qual ele é acusado de homicídio, terrorismo, seqüestro e roubo. O padre é apontado como comandante de uma tropa de 400 guerrilheiros que atacaram uma base militar do Exército, em 1991. A ação matou dois militares, feriu outros onze e levou ao seqüestro de dezessete homens. Armas pesadas, como fuzis, metralhadoras e granadas, foram roubadas. O guerrilheiro Arnulfo Cuervo Gil, capturado pelo Exército colombiano, contou à Justiça que a ação foi liderada por Medina e encomendada diretamente por Manuel Marulanda, ex-líder supremo da guerrilha, que morreu neste ano – o que revela a importância do padre na hierarquia do grupo. Olivério Medina, que era chamado de "Cura Camilo" pelos guerrilheiros, também atuou como instrutor militar na Casa Verde, quartel-general da guerrilha no estado de Meta. Suas especialidades eram inteligência urbana e finanças. De novo as coincidências chamam atenção. Medina, o professor de finanças, foi flagrado por espiões brasileiros em uma reunião nos arredores de Brasília, em 2002, anunciando que as Farc enviariam 5 milhões de dólares para a campanha do PT. O assunto nunca foi devidamente esclarecido.

Olivério Medina nasceu em uma família de camponeses na cidade de Garzón, vilarejo situado a 400 quilômetros de Bogotá, próximo à fronteira da Colômbia com o Equador. Ele tinha 17 anos quando, em 1964, 16.000 homens do Exército colombiano dizimaram um povoado da região para combater 48 camponeses armados que se reuniam em torno do ideário marxista. As Farc nasciam ali, em pleno quintal de Medina, mas a metamorfose do padre só aconteceria bem mais tarde. Formado em teologia, Medina foi padre até meados da década de 80, quando foi expulso da igreja e trocou definitivamente a Bíblia pelo fuzil. Aos 61 anos, ele, por enquanto, assiste de longe ao declínio do grupo guerrilheiro. Em 44 anos de existência, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) vivem seu pior momento. Acuada pelo Exército, fragilizada pela morte de seus principais líderes e cada vez mais isolada, a narcoguerrilha já apresenta sinais de agonia, com a desmobilização acelerada de suas tropas, reduzidas a um terço do efetivo em ação no início da década (veja o quadro). O padre sonha em conseguir o passaporte brasileiro para voltar à Colômbia.

No Brasil, Olivério Medina se casou com a professora paranaense Angela Slongo, teve uma filha e sempre se apresentou como embaixador das Farc. Antes do refúgio, organizava encontros com políticos e simpatizantes da guerrilha, promovia comitês de apoio, vez por outra recolhia contribuições em dinheiro para o grupo e até celebrava missas. Após a concessão do refúgio, Medina optou pela discrição. Alugou um pequeno apartamento em Brasília, onde mora com a família, mas não abandonou as atividades políticas. A Embaixada do Brasil em Bogotá recebeu, há duas semanas, um dossiê com três páginas e dois anexos contendo informações sobre atividades de Medina no país. O material, escrito em espanhol e classificado como reservado, relata uma série recente de atividades não autorizadas executadas pelo padre. As autoridades colombianas também juntaram cópias das mensagens eletrônicas que mostram as relações do padre com autoridades do governo brasileiro e a ficha judicial do guerrilheiro Medina. O documento já está no Ministério da Justiça – que, em breve, vai receber também o pedido formal para reavaliar a situação do mais famoso, influente e constrangedor refugiado político em território nacional.

Um comentário:

posturaativa disse...

esse deveria seguir o mesmo camninho de Abadia e ir direto para USA