Pesquisar este blog

quarta-feira, 2 de agosto de 2006

Candidatura de Palocci faz água e pode naufragar....

Palocci corre risco de ter candidatura a deputado impugnada, por apresentar dois números de CPF e falso domicílio eleitoral
Ilegalidades no registro de sua candidatura no Tribunal Regional Eleitoral em São Paulo podem sepultar o sonho de imunidade (ou seria impunidade) parlamentar do ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci Filho, que responde a processo por quebra de sigilo bancário do pobre caseiro Francenildo dos Santos Costa. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) intimou Palocci a esclarecer, até amanhã irregularidades apontadas pelo Ministério Público Federal em sua candidatura a deputado federal, sob pena de tê-la impugnada.

O procurador regional eleitoral Mario Luiz Bonsaglia constatou que, entre as irregularidades no processo de requerimento de candidatura de Paloci, são apresentados dois números de CPF diferentes para o candidato petista. A assessoria de Palocci argumenta que haveria um erro de digitação nas certidões solicitadas. Mas tese da digitação errada cai por água abaixo, porque os números 081.532.288-70 (de algum laranja?) e 062.605.448-63 (O CPF real dele) são bastante diferentes para serem teclados erradamente por quem os preencheu no pedido de inscrição de candidatura.

Nas certidões criminais juntadas por Palocci, o candidato informa o número do CPF 081.532.288-70, diferente do número do CPF do documento apresentado pelo ex-ministro: o 062.605.448-63. Com o CPF que não lhe pertence, Palocci está “limpo e puro” perante a Justiça. No site da Secretaria da Receita Federal, o número que isenta Palocci de qualquer problema, na verdade, pertence a Nélio Aguiar Bíscaro. Apenas o segundo número de CPF realmente é de Palocci.

Em Ribeirão Preto, cidade natal de Palocci e onde e tem domicílio eleitoral declarado, a Telefônica informa que existe um Nélio Aguiar Bíscaro entre seus assinantes, o único em toda sua área de abrangência. Mas ninguém foi encontrado no número de telefone informado.

Além da duplicidade de CPF, Palocci pode ser punido com a impugnação da candidatura por apresentar domicílio eleitoral falso. Apesar de ser candidato por São Paulo e declarar domicílio eleitoral em Ribeirão Preto, Palocci reside em Brasília desde o final de 2002, quando ainda se preparava para assumir o cargo de ministro da Fazenda. Mesmo após deixar o cargo, em 27 de março de 2006, Palocci seguiu com residência na capital federal, o que é de conhecimento público.

2 comentários:

Tiago Motta disse...

Ladrão picareta e safado!

Anônimo disse...

PALOCCI FILHO DA PUTA!