Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de março de 2007

Aborto e células-tronco:Será o Brasil o novo paraíso dos criminosos biológicos?

Células tronco e aborto num país criminal é balela pra gringos garfar mais o Brasil
A nossa constituição não permite o aborto,sem ou com plebiscito,há uma cláusula pétrea que determina o direito à vida.
Me espanta o grau da ingenuidade que têm certas pessoas ,e o quão facilmente são manipuláveis certos blogueiros que acham que legalizando o aborto pessoas brasileiras serão beneficiadas.
Ora,como sempre existem grandes interesses por trás dessa manobra petralha de querer tirar proveito da matança dos fetos,num país onde nada é fiscalizado e a prática de mais um crime seria mais uma banalidade,a somar com todos os crimes e canalhices já praticados aqui.
Na verdade, por trás do aborto vem a grana que ele pode render em um País com a legalização. No idioma exato: “Money, Money, and Money”. A IPPF é proprietária de uma rede que abarca 20% de todas as clínicas de aborto nos Estados Unidos, onde o aborto é legal até os nove meses de gestação, por decisão da Suprema Corte tomada em 1973, depois do grande lobby de propaganda dos bem intencionados ingleses. A IPPF é uma organização multinacional fundada por movimentos feministas, em Londres, na década de 50, para promover o aborto em todo o mundo.
Saiba mais sobre esse assunto

2 comentários:

Stella disse...

eu não sei se isso é real, desconhecia o assunto, mas tenho minha opinião de que o aborto se faz necessário no país adicionado de programas educacionais para planejamento familiar.
o país é pobre sua população é ignorante e é essa que mais gera filhos. melhor o aborto legalizado do que colocar mais em risco a precária saúde da mulher e criança.

Tiago Albineli Motta disse...

O problema é que a lei que querem aprovar para discriminar o aborto, discriminará aborto em qualquer momento da gestação. Até o nono mês será permitido. Isso porque a lei foi mal escrita. Só pra quem não se lembra que a redigiu foi Jandira Feghali, que felizmente não conseguiu se re-eleger como senadora.

No mais, sou a favor do aborto.