Pesquisar este blog

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Chávez :um exemplo lulista de democracia!


Em entrevista que concedeu nesta quarta-feira (15), Lula tratou o compañero Hugo Chávez com extremo respeito. Elogiou-lhe a dignidade. Enalteceu-lhe a compostura democrática. Ou seja, o presidente brasileiro estava completamente fora de si.

Num instante em que parte do Congresso, à frente o protogovernista José Sarney, ameaça vetar o ingresso da Venezuela no Mercosul, sob a alegação de que o vizinho não respeita os valores democráticos, Lula saiu em defesa do amigo:

"Podem criticar o Chávez por qualquer outra coisa. Inventem uma coisa para criticar o Chávez. Agora por falta de democracia na Venezuela não é. Estou há cinco anos no poder. Vou chegar a oito anos. Eu participei de duas eleições. O que eu sei é que a Venezuela já teve três referendos, já teve três eleições não sei para onde, já teve quatro plebiscitos. O que não falta é discussão.”

Sem medo de ser feliz, Lula defendeu o direito de Chávez de alterar a Constituição para obter um “terceiro mandato.” Insinuou que os críticos são movidos a preconceito. “Por que ninguém se queixou quando Margaret Thatcher [ex-primeira-ministra britânica, que deu as cartas entre 1979 e 1990] ficou tantos anos no poder?”

Um dos repórteres esfregou o óbvio na cara de Lula. Lembrou que a Grã-Bretanha vive sob regime parlamentarista. Ou seja, o primeiro-ministro pode ser destituído a qualquer momento pelo Parlamento. Lula não se deu por achado: “É continuidade, não tem nada de distinto. Muda apenas o sistema, o regime, de presidencialista para regime parlamentarista. Não importa o regime, mas o exercício do poder.”

Mencionou, além de Thatcher, dois outros ex-chefes de Estado de regimes parlamentaristas: o espanhol Felipe Gonzalez e o alemão Helmut Kohl. E injetou um abacaxi, o francês François Miterrand, no cesto de abóboras. “Ninguém se queixa do Felipe González, que ficou tantos anos; ninguém se queixa do Mitterrand, que ficou tantos anos; ninguém se queixa do Helmut Kohl, que ficou quase 16 anos”, disse Lula.

Quando escora seu argumento na trajetória de ex-primeiros-ministros longevos, Lula apenas tortura os meios para atingir um fim. Quando enfia Mitterrand na tortuosa peroração que erigiu para defender o impensável, levou às últimas conseqüências a ofensa à lógica. A França é República semi-presidencialista. Eleito pelo povo, o presidente nomeia o primeiro-ministro.

François Mitterrand presidiu a França por 14 anos (1981-1995) porque obteve do povo dois mandatos. Mandatos que a Constituição da França fixa em sete anos. Desceu ao verbete da enciclopédia sem enodoar a biografia com alterações constitucionais de fancaria. Fez dois governos dignos de críticas, sobretudo o segundo. Mas não merece a desfeita de ser comparado a Chávez.

De resto, Lula considerou que “não houve exagero” da parte de Chávez ao chamar o ex-primeiro-ministro espanhol José María Asnar de “fascista”. “Houve uma fala do Chávez, que o rei achou que era demais, que era uma crítica ao ex-primeiro-ministro da Espanha que tinha apoiado o golpe venezuelano no primeiro momento. Essas coisas acontecem. Obviamente, a diferença qual é? Que o rei estava na reunião. Quem falou ‘cala-te’ foi o rei, não foi um de nós, porque, entre nós, nós divergimos muito”. As considerações de Lula vieram no vácuo dos últimos rugidos de Chávez na direção da Espanha. Bramidos tonificados por um sussuro de Evo Morales, o presidente da Bolívia (assista).

Chávez tem todo o direito de cultivar sobre Aznar a opinião que bem entender. Eleito democraticamente, foi vitimado, em 2002, por um golpe de generais sem tropa, apoiados por bando de empresários oportunistas, amparados por um naco de mídia parcial. Coisa inaceitável. Tão reprovável quanto o fracassado golpe que o coronel Chávez tentara aplicar dez anos antes, em 1992.

O que se discute é a má educação do compañero. Valer-se de uma cúpula internacional, realizada em terra estranha, para jogar na cara de José Maria ‘Exijo Respeito’ Aznar e de Juan ‘Por que não te calas’ Carlos um episódio que não lhes diz respeito é coisa de histrião desgovernado. Lula disse: “Se nós dermos menos palpite nas regras do jogo dos outros países e olharmos o que nós estamos fazendo, todos nós sairemos ganhando.” Tem razão. Mas daí a considerar a Venezuela de Chávez um exemplo de democracia vai enorme distância.

5 comentários:

Malbert de Brasilia disse...

eu jà sentia vergonha de ter como presidente do Brasil, um sujeito desse nivel. E tinha divudas em relaçao ao III mandato, que cosntitucionalmente (a diferença da Thatcher e Koll) NAO o permite.
E' uma vergonha como ele e sua gang de bandidos possam permitir-se de dizer qualquer coisa, sem que ninguem possa realmente calar a boca deles. Mas claro, eles sao "esquerdistas", iluminados e seguramente superiores a nos, reacionarios e servidores do Imperio e do Grande Capital.

Anônimo disse...

Sabe de quem é a culpa disso. Dos grandes empresários. Pois a massa brasileira é acéfala. A Classe média, que um dia ainda vai precisar do bolsa família pois o governo não se cansa de sacar-lhe a carteira para entregar o fruto do furto para comprar votos dos 50 milhoes de semi-analfabetos ou dos 2 milhoes de funcionários públicos, não tem voz. Infelizmente o empresariado está feliz como as coisas estão, veja a ultima reunião onde ninguém criticou nada. Quer exemplo mais claro que a Globo com seus financiamentos junto ao BNDES não fala mais nada. E a oposição!!! Meus senhores apertem o cinto que o piloto sumiu e vamos também tentar mamar na teta do governo, que é a única coisa que se pode fazer com esse governo sinico.

Malbert de Brasília disse...

@anomino das 09.44
aí que 'tá: depois de um mandato e meio, apesar do lulismo que estaria "perto do povo", o Brasil não mudou. Além do paquidérmico aparelho burocrático de estilo nigeriano existente no Brasil, quem continua ganhando escandalosamente são os bancos e as grandes empresas. Tudo nas costas de milhões de pessoas, que com prestações absurdas, mantem essa gente, contraindo dividas para comprar sapato e a playstation.
Se queremos fazer nos alguma coisa, evitemos comprar em prestação, aonde for possível. Certas coisas podemos pagar em liquido, evitando até cartão de credito.

Anônimo disse...

SERÁ QUE AGORA VAMOS FICAR COM ESTA PRAGA INFERNIZANDO O NOSSO JUÍZO ETERNAMENTE???VALHA-NOS DEUS!!!!

Alexandre Core disse...

O Lula não tem opinião própria. Ele fala o que seus aspones stalinistas (um Marco Aurélio da vida, por exemplo) sopra em sua orelha.

Só estamos um patamar acima da Venezuela por puro milagre, porque o governo anterior fortaleceu a democracia no país. Tivesse o PT chegado ao poder em 1994 e o Brasil teria quebrado e estaríamos até agora catando os caquinhos ou, pior, teríamos visto começar por aqui essa imbecil revolução bolivariana.

Ó Patria Amada, Idolatrada,
Há Quem Te Salve?